Receita Ilustrada – Pão Rápido

Esta página deu trabalho …ou terá sido que eu fiquei mais exigente?

Mas esta já está concluída. E esta é a receita que faço quando quero pão e rápido.

Devia de falar das farinhas. Porque isto pão sem glúten tem sempre um discurso de farinhas, ao contrário do pão com trigo, pouco muda.

Diz-me vais experimentar a receita?

A autora dos Moomins, Tove Jansson

Ao contrário de outras autoras o trabalho e vida de Tove Jansson não foi tarefa difícil de executar. A dificuldade esteve o que escolher.Nesta autora vai um carinho especial porque as suas imagens fazem parte das minhas memórias de infancia. Quem foi Tove Jansson?

1914Em Agosto desse ano nasce numa família de artistas. A sua mãe é designer gráfica e seu pai escultor, que teriam ainda mais dois rapazes, um será fotografo o outro como a irmã será, cartoonista.
Foi no atelier da sua mãe onde Tove fez os seu primeiros traços de desenho.
Quando ainda jovem e após de uma discussão sobre Kant com o irmão e como retaliação elabora os primeiros traços que mais tarde será um personagem dos seus livros , Snork .
Com 14 anos recebe a suas primeiras comissões artisticas.
1933Com 19 anos entra para Universidade de artes e crafts e design na cidade de Estocolmo. E ainda a estudar começa a desenhar caricaturas politicas para a revista satírica Garm, trabalho que continua durante a II guerra e depois desta.
1940 a 1947Finlândia sofre muito com a segunda grande guerra. Após alguma luta emocional para continuar a pintar sem sucesso, decide escrever.
Em 1947 publica o primeiro livro dos Moomin no ano seguinte publica o segundo.
1948 a 1953Dedica-se à pintura arte que considera a sua primeira paixão. Aceita várias comissões para decorar espaços públicos.
Publica mais dois livros da serie Moomin.
1954 a 1975O publico britânico toma conhecimento da sua obra com a publicação dos seus livros.
Depressa as suas publicações foram notadas no território da sua majestade e que resultou num contacto por parte do jornal Evening News para desenhar os Moomin para o jornal. Tove Jansson aceitou a a proposta e foi autora e ilustradora de 1954 a 1959.
Nos anos seguintes e porque o trabalho a afastava da pintura e tempo para escrever, partilhou com o irmão mais novo, Lars Jansson a criação das tiras dos Moomins.
Mas a equipe não durou muito. Tove afasta-se deixando ao irmão a autoria e desenho das tiras de comics, e o fez até 1975.

Em 1966 é lhe atribuído a Tove Jansson o prémio de Hans Christian Andersen pela sua contribuição nos livros infantis. Os Moomin passam para outras línguas e torna-se um sucesso mundial.
1962 a 1970Uma das razões do seu afastamento das tiras de comics do jornal deveu-se à sua saúde mental que mostrava dar sinais de burnout. Esta experiência veio a reflectir-se nas ultimas histórias com os Moomin.
1914 a 2001Durante toda a sua vida ela pintou e realizou exposições do seu trabalho como artista plástica. A sua expressão de artista plástica teve vários rumos. Começou no impressionismo, mas desenvolveu composições gráficas modernistas e abstractas e por vezes expressionistas.
1972 até 2001Escreve para adultos pequenas histórias e novelas.

E por hoje fico por aqui mesmo. Sim estou tentada em fazer uma história com ascarateristicas da obra de Tove Jansson…Próximo sabado saberam se cai oou não na tentação. Boa semana.

origem da informação:
site:
https://www.moomin.com/en/
https://womenincomics.fandom.com/wiki/Tove_Jansson#Author

youtube:
https://www.youtube.com/watch?v=tYgC0nKyF0g&t=1765s
https://www.youtube.com/watch?v=EcikoHSf2-8&t=1s

Como mudei o meu mindset

Habitualmente enquanto desenho ou pinto ou faço o layout de uma pagina, oiço livros. Normalmente com temas relacionados com a mente humana. por isso quando li como titulo “mindset” achei que era uma escolha apropriada.
Coloquei o livro a tocar enquanto uma das paginas do livro Inktubro. Qual não é o meu espanto quando oiço o conteúdo do livro mindset.

Espanto! Porquê?
Desde que iniciei esta jornada da ilustração, enterrei muito passado e uma delas foi o modo de pensar.
E como pensava eu?
O que tinham me ensinado desde que nasci. A criticar, culpar, não discutir. Receava tomar posições que fossem estremas ou que ficasse em destaque, Assumir culpas que não eram minhas e a culpar coisas que não eram de outros mas minhas. Receava errar, e era extremamente critica com os outros e muito mais comigo. É difícil perceber que estamos errados se não conhecemos mais nenhum horizonte de observação.
Assim foram-se quarenta anos da minha vida. Acreditando que era um erro. E que outras coisas boas pertenciam a outros não a mim. E este ainda é o mindset mais divulgado por todo o lado .

O ego

A brecha no Ego
Após do meu burn out, percebi que tudo o que tinha acreditado como verdade era na rrealidade mentira, melhor dizendo um ponto de vista uma verdade alheia que não tinha que ser a minha.
E com esta insegura certeza, decidi criar um novo mindset. Um que desse respostas e que trouxe-se ajuda nos tempo difíceis.
Aprendi a apreciar o erro. Assumir a culpa mas só as minhas. As dos outros é com eles não tenho nada a ver com isso. Passei a não ser critica , não sou juiz para andar por ai a julgar e com isso passei a ser mais compreensiva. E quando tem que existir critica deixa de ser punitiva e passa a ser uma ferramenta de aprendizagem.
Reaprendi que aprender é feito por camadas e não de uma só vez.

O Livro
Olhava espantada para o som que saia do video, e se referiam ao meu antigo mindset como minset rígido e os males que trás para a saúde e bem estar. O ao novo mindset como mindset crescente, que agora diariamente procurava executar , e como ele é promotor para resolução de situações dificeis. O livro que tenho estado a referir é este. Em Inglês( Mindset – The New Psychology of Success by Carol S. Dweck) em português, Mindset: A Nova Psicologia do Sucesso. de Carol S. Dweck

A fonte de inspiração
Como eu gostaria ter lido este livro em 2006 quando saiu. Que modificações nas escolhas teria tido? Será que teria tido burn out? Atravessado anos de stress emocional? E depois, mais uma questão se levanta.
Sabem os jovens deste livro, e o quanto os pode ajudar?
O que não daria o ter nos meus 20 anos.
Essa é outra razão deste post de hoje. Numa altura que tanto se fala de gestão emocional, poucas são as ferramentas mentais divulgadas para essa gestão. Este livro é, a meu ver, um canivete suíço para a gestão das emoções e do método de aprender ensinando o mindset de crescimento.
Para quê e porquê, manter um mindset rígido? Quando já se sabe que com o tempo, o utilizador de um mindset destes, termina em doença no Ego ( esta ultima é minha ideia e é o como considero ser o narcisismo ou a depressão e todas as outras doenças da psique que envolvem a emoção, medo).

Depois de refletir sobre todo este assunto, não fosse eu uma introvertida, Inspirei-me e dei comigo a criar um personagem…advinha! Quem? O Ego.

Ventos de Mudança

Ventos de Mudança

Na vida a única constante é a constante mudança.
É uma característica que temos tendência para achar que não é verdade, Mas como tempo percebemos quando tem de verdade a constante mudança de tudo.

Notamos mais a inconstância quando são situações que alteram e obrigam a novas aprendizagem e hábitos.

Foi o que aconteceu esta semana com meu pc que estava comigo e me acompanhou durante estes últimos 15 anos. 
Depois do choque inicial decidi investir o meu tempo na prática de uma nova software num outro equipamento é o que faz mexer nestes bichos à mais de 23 anos!!CREDO!
Não é dramático o assunto fica calma! é só uma reflexão e constatação da permanente inconstância.

Estas supressas, de ferramentas que deixam de funcionar, acontece, mas desta vez deixaram-me desprevenida e o livro que estava bem encaminhado…Regressou ao inicio.

Por isso a semana vai ser com uma postagem mais orgânica e fotográfica.

Espero por ti por aqui no próximo domingo. Até prá semana!